fbpx

Essa matéria que você vai ler é baseada em uma pergunta que recebi de uma seguidora no instagram (aliás, se você não me acompanha, clique aqui para dar uma olhada nos meus conteúdos lá).

Além de frequente, essa pergunta é praticamente um desabafo comum e constante no meu dia a dia de consultoria de estilo. 

Antes de tudo, é interessante a gente refletir um pouco. Aliás, aqui eu sempre vou incentivar que a gente pense sobre tudo, que a Deusa me livre de não pensar e questionar as coisas, não é mesmo?

POR QUE O NOSSO ESTILO MUDA?

Um dia a gente está bem com as nossas roupas e no outro, quando abrimos a porta do armário para nos vestir, parece que nada daquilo faz sentido. Acontece com você também?

Por mais que as pessoas achem que eu seja a pessoa mais “bem resolvida” com meu estilo, eu mesmo passei por isso no início do ano passado. 

E mesmo que na hora eu quisesse jogar tudo fora e comprar tudo de novo (risos de nervoso) eu sabia que essa mudança de estilo era normal e que era completamente possível transformar meu armário do jeito que ele tava – no que eu queria. 

É fácil? Não. É preciso um momento de calma, reflexão e estratégia.

Como isso é muito comum para todas nós, resolvi compartilhar 5 dicas para ajudar você a renovar seu armário de verdade – já que jogar tudo fora e ter um cartão de crédito milionário para comprar tudo do zero só acontece em reality show de moda (e vamos combinar que essa nem é a saída mais legal e inteligente).

Bora lá?

Dica #1 | Faça uma autoanálise

Primeiro, identifique o que você não está gostando mais.

Tire fotos de corpo inteiro e as analise.

  • O que você não gosta? 
  • Não gosta do tipo de tecido? Das cores? Da modelagem? 
  • Acha que falta detalhes (acessórios, cintos)?

Identificou o que não está gostando? Obs: tente ser bem objetiva e clara aqui com suas observações.

Dica #2 | Junte e estude referências

Eu falo isso todo o tempo e vou continuar repetindo:

PROCURE REFERÊNCIAS. 

O nosso gosto é construído, e a gente só consegue gostar daquilo que a gente vê e analisa. Ninguém gosta daquilo que não conhece.

Então, não deixe de montar uma pasta no Pinterest, no “salvos” do Instagram, ou em qualquer lugar que você conseguir agrupar e analisar essas referências. 

Depois, a ideia é entender que “padrão” que tem ali que você gosta. O que se repete nas imagens? 

Algumas coisas que é bom prestar atenção:

  • As roupas são mais fluídas ou mais estruturadas? 
  • Tem muita cor ou pouca cor? 
  • As roupas tem um alto contraste ou baixo contraste? 
  • Tem estampa ou são lisas? 
  • Se tem estampa, que tipo de estampa?
  • Qual o truque de styling que aquela pessoa deu naquela composição?

Você vai ver que tudo vai ficando mais claro na sua cabeça para a hora da mudança e avaliação do seu armário – peças que devem sair e quais podem possivelmente entrar.

Dica #3 | Prove!

Tenho grandes amigas psicólogas que me disseram algo que me marcou muito:

A gente não muda resultado sem mudar padrão de comportamento. 

Se a gente não mudar aquilo que não está dando certo, o resultado não vai ser diferente.

Então, se você já identificou o que não gosta, separou imagens de referências…Agora é a hora de colocar a mão na massa!

Prove, prove, prove! 

Crie novas composições com aquilo que você já tem, use a imaginação (e as referências). A gente só sabe se realmente gosta de algo testando. Eu odeio jiló, mas como eu sei que odeio? Porque eu comi (mais de 1x) e percebi que não gosto. Com roupa é a mesma coisa, não dá pra ficar só na imaginação. Nossa cabeça tem uns truques e engana demais a gente.

Dica #4 | Não crie caixinhas e regras para suas roupas

Essa roupa é de trabalho.

Essa é de sair.

Essa é da academia.

Essa é de ficar em casa. Você faz isso? 

Então PARE.

Nada limita mais o nosso guarda-roupas do que colocar rótulos nas roupas. Deixa disso! Roupa é simplesmente roupa. Se você comprou e pagou, ela é sua e você faz o que quiser. 

  • Que tal usar saída de praia como kimono e maiô como body? 
  • Transformar uma saia pareô em vestido? (tem mil tutoriais no Pinterest e Youtube ensinando isso)

Não existe horário e momento para usar roupas. A sua imagem e estilo se passa em qualquer hora do dia.

Volte na dica 3: prove, experimente, teste, tente criar algo novo com peças que você já tem. Olhe com novos olhos para o seu armário.

Dica #5 | Tenha um Acervo

Se você já fez uma autoanálise (dica 1),  comparou com o estilo referência (dica 2), viu – E PROVOU as novas possibilidades (dica 3 e 4), essa dica 5 vai servir para quando você for comprar as peças que talvez estejam faltando.

A ideia é enxergar seu guarda-roupa como um acervo, como um patrimônio mesmo. Algumas dicas:

  • Compre somente aquilo que faça seus olhos brilharem, que você amou e achou incrível.
  • Busque comprar peças que complementam esse acervo e te ajude a ir além e novas combinações. 
  • Procure poucas peças de maior qualidade e durabilidade ao invés de muitas “baratinhas” e que não agregam.

Nunca, em hipótese alguma compre: 

  • Algo somente pelo preço (está barato)
  • Pela quantidade (não qualidade)
  • Por impulso (quando você está triste e PRECISA de algo, por ocasião, com pressa)

As suas compras precisam ser programadas e planejadas de acordo com onde você quer chegar e as peças que você já tem (referências x armário atual).

Espero que essas 5 dicas tenham ao menos te dado uma ideia do que é esse processo de “troca de pele” de estilo e como ele deve ser feito.

Ah, e sabe de uma coisa? Por mais que no começo seja difícil, depois é uma delícia. O processo é maravilhoso!

E viu, olha aqui:

Se ainda assim você se sentir perdida, travada, como se não conseguisse identificar o seu estilo (aquele padrão das referências), ter um guia de estilo em mãos feito por um profissional da área pode te ajudar nesse processo – e MUITO!

Caso tenha interesse e trocar uma ideia e ver como funciona, clique aqui que te conto tudo!

E aí, vamos renovar o seu armário?

Quer Receber novidades?

Deixe seu comentário